jornalista em ação

Me chamo Isabela Corrêa, mas todos me conhecem como Isa. Tenho 21 anos e estou prestes a concluir minha faculdade de Jornalismo. O esporte sempre esteve presente na minha vida. O sonho projetado dentro do meu coração e construído nos meus pensamentos era de me tornar uma jogadora de futebol profissional. Arrisquei alguns chutes pelos gramados de Itajaí. Porém, não era nada fácil driblar o preconceito e quem sabe até mesmo a falta de habilidade necessária para chegar no alto rendimento do esporte. Força de vontade e amor era o que não faltavam durante os treinos diários na Escolinha do Atlético Paranaense, no bairro Cordeiros em Itajaí.

 

O amor é como uma planta que precisa ser cultivada diariamente. Da mesma forma o esporte, em especial o futebol, foi semeado no meu coração a cada quatro anos com a Copa do Mundo FIFA. Após isso, a Copa América, Copa das Confederações, até chegar ao meu amado tricolor gaúcho disputando com garra o Campeonato Gaúcho, Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil e Copa Libertadores da América. Sem esquecer é claro do meu querido Marcílio Dias, na torcida por ele nos melhores e piores momentos.

 

Junto às quartas-feiras e domingos de Brasileirão se passaram os anos. E do sonho despertado pelo penta da Seleção Brasileira em 2002, mais três Copas do Mundo e já era a vez de traçar meu futuro e escolher qual faculdade cursar. Me formei no Ensino Médio em 2014. O ano não é agradável para a lembrança dos brasileiros, mas foi nesta época que optei pelo Jornalismo, com a visão de trabalhar na editoria esportiva.

 

Ao longo desses quatro anos de faculdade, muitas alegrias e conquistas, mas também alguns “7x1” pelo caminho. Talvez seja esse o ingrediente principal que despertou em mim o gosto pelo esporte. A insistência em cair e levantar quantas vezes necessárias fossem. Superar dificuldades, obstáculos, projetando a frente um futuro vitorioso. Afinal, campeão não é aquele que vence sempre, mas sim, o que nunca desiste de lutar.

 

Essa força é característica também do povo catarinense. Essa gente alegre, de sorriso estampado no rosto, mostra ao Brasil que na nossa terrinha, diariamente a maré está para peixe. E por que não para o esporte? Abençoado por Deus, nosso estado é o paraíso das belas paisagens que formam o recanto de grandes esportistas. Já diziam os ‘manezinhos da ilha’ do grupo Dazaranha na sua música ‘Espero’: “Tantos caminhos para fazer e explorar, tantas histórias para ouvir e contar”.

 

Nesse misto de histórias surgiu a ideia para o meu TCC. Contar as aventuras vividas por seis atletas locais, de diferentes modalidades, e assim unir minhas duas paixões: o esporte e Santa Catarina. Finalizo em 2018, ano de Copa, essa trajetória acadêmica que iniciou justamente por ela.

maré esportiva

Isabela Corrêa

Acadêmica de Jornalismo

Nascimento - 25/05/1997

Natural - Itajaí, Santa Catarina

Contato - (47) 98466-0889

E-mail - isaa-correa@hotmail.com

1 Coríntios 13, 2

Se eu tivesse o dom da profecia, se conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, se tivesse toda a ,

a ponto de mover montanhas, mas não tivesse amor, eu nada seria.

"